Longevida dá início ao Conversas na Janela

Por Katia Fonseca

A Longevida acaba de lançar o projeto social Conversas na Janela, que pretende ser um espaço virtual de bate-papo entre pessoas com mais de 60 anos. Por meio da plataforma Zoom, grupos de, no máximo, sete pessoas, se reunirão uma vez por semana para conversar, trocar experiências e compartilhar suas histórias. A atividade é totalmente gratuita e faz parte do braço social da Longevida.

A primeira etapa do projeto, que teve início dia 4 de dezembro de 2021, consiste em convidar as pessoas para formarem os grupos. O convite está sendo divulgado nas redes sociais da Longevida (Facebook, Instagram e Twitter). À medida que os(as) interessados se manifestarem, os grupos de sete pessoas começarão a ser fechados. Na segunda etapa, será a hora de definir as características do grupo, baseadas nos interesses comuns entre as pessoas inscritas; também será definido o dia da semana e horário das reuniões. E, assim, em seguida, começa a conversa na janela virtual do Zoom.

Espantando a solidão

A solidão tem estado cada vez mais presente na vida de qualquer pessoa. Quando se trata da pessoa idosa, isso tende a se intensificar. Há mais dificuldade para a pessoa idosa ser ouvida. A correria do dia a dia das pessoas mais novas, envolvidas em inúmeros afazeres do dia a dia, nem sempre permite que se tenha tempo para ouvir histórias ou deixar-se levar por divagações por vezes efêmeras e descompromissadas.

Ter um espaço para conversar, sem compromisso com o “fazer acontecer”, simplesmente para compartilhar recordações, desejos, expectativas ou qualquer outro sentimento premente, colabora sobremaneira para a saúde emocional da pessoa idosa.

Este é o principal objetivo do projeto Conversas na Janela: espantar a solidão.

Vem conversar conosco!

Pessoa idosa com deficiência - dados IBGE

Um em cada quatro idosos tinha algum tipo de deficiência em 2019

Agência IBGE / Imagem Mulher foto criado por DCStudio – br.freepik.com

Dos 17,3 milhões de pessoas com deficiência no país em 2019, quase metade (49,4%) era idosa, ou seja, tinham 60 anos ou mais de idade. Considerando a população total por grupos etários, um a cada quatro idosos (24,8%) tinha algum tipo de deficiência. Os dados são da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2019 – Ciclos de vida, divulgada no dia 26 de agosto pelo IBGE.

A deficiência visual teve o maior percentual nessa faixa de idade: 9,2% dos idosos declararam ter muita dificuldade ou não conseguiam de modo algum enxergar. A quantidade de pessoas com deficiência auditiva também aumenta conforme o avançar da idade: cerca de 1,5 milhão de pessoas com deficiência auditiva tinha mais de 60 anos. Isso equivale a 4,3% dos idosos.

O uso de algum recurso para ouvir melhor, como aparelho auditivo e implante coclear, de acordo com o levantamento, era feito por 0,8% da população acima de dois anos, independentemente de ter alguma deficiência ou do grau de dificuldade das pessoas. Entre os idosos, o percentual foi de 3,1%.

A pesquisa também estimou em 3,3 milhões o número de idosos com alguma limitação funcional para realizar Atividades de Vida Diária (AVD), como trocar de roupa, alimentar-se e higienizar-se. Esse contingente corresponde a 9,5% das pessoas nessa faixa etária. A proporção também aumenta à medida que a idade avança, chegando a 18,5% entre as pessoas com mais de 75 anos.