Conselho do Idoso de Santos debate idadismo

Evento contou com a participação de Sandra Gomes, da Longevida Consultoria, e de Egídio Dórea

A capacitação e formação de conselheiros de Direitos da Pessoa Idosa é um dos focos do trabalho da Longevida Consultoria. No dia 13 de julho, representando a empresa, Sandra Gomes participou do bate-papo “Você sabe o que é idadismo?”, promovido pelo Conselho Municipal do Idoso (CMI) de Santos, no litoral de São Paulo, em parceria com o Observatório da Longevidade Humana e Envelhecimento (OLHE). Outro convidado foi Egídio Dórea, coordenador do programa USP 60+ e autor do livro “Idadismo – Um mal pouco percebido” (Editora Unisinos).

O bate-papo sobre idadismo foi conduzido por Marília Berzins, presidente do OLHE, convidada pelo presidente do CMI, Paulo Henrique Montenegro Lopes Ferreira. O termo idadismo, segundo Egídio, foi definido pela primeira vez por Robert Butler e pode ser descrita como a estereotipização sistemática e discriminação das pessoas por serem velhas. Um preconceito já estruturado na sociedade baseado nas crenças de dependência, isolamento, improdutividade, desvalorização social, declínio e morte.

Egídio afirmou que o idadismo é internalizado na forma como encaramos o processo de envelhecer, como olhamos o outro e não nos vemos velhos, entre outros aspectos. De modo institucional, mesmo nas empresas mais diversas do Brasil, a questão etária é pouco vislumbrada, assim como no sistema de saúde, o que resulta em menos exames preventivos, menos consultas de rotina, atraso na prescrição de tratamentos e na solicitação de exames.

Entre as consequências negativas do idadismo, Egídio destacou o aumento das taxas de ansiedade e depressão, perda da independência funcional, aumento do risco de demências, infarto e derrame, diminuição da expectativa de vida, que pode ser até 7,5 anos menor do que quem tem percepção mais positiva do envelhecimento.

O coordenador da USP 60+ também está á frente da campanha #soumaissessenta de valorização das pessoas com 60 anos ou mais. Sandra Gomes participou da criação da campanha quando esteve á frente da Coordenação de Políticas para a Pessoa Idosa, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo.

Papel dos conselheiros

Sandra destacou em sua fala que a questão do preconceito em relação à idade é cada vez mais evidente. Um preconceito que às vezes não está declarado, mas está na atitude, na negligencia, na falta de percepção. Em Santos, segundo ela, os conselheiros representam 23% da população e precisam tomar ciência desse papel.

A diretora da Longevida ressaltou também a violência decorrente do preconceito em relação à pessoa idosa, que precisa cada vez mais ocupar seu lugar de direito afiançado pela Constituição, pela Política Nacional do Idoso e pelo Estatuto do Idoso. A responsabilidade dos conselheiros é enorme, de acordo com Sandra, por isso é fundamental a participação em capacitações, encontros e convites à reflexão sobre o exercício dessa cidadania ativa. E a mudança começa pela chave interna, se perguntando: “Que velho sou eu, como estou envelhecendo, como estou lidando com a sociedade ser tão preconceituosa em relação a mim?”.

Outro ponto abordado pela fundadora da Longevida foi que o conselho também perceba que seu papel é a representatividade das diferentes velhices, com assento, por exemplo, para a população idosa em situação de rua, LGBTI+, imigrante e das regiões periféricas, assim participar de outros conselhos municipais. Sandra recomendou o intercâmbio entre o Conselho do Idoso de Santos com municípios da mesma região administrativa – São Vicente, Praia Grande, Guarujá e Cubatão. Para Sandra, os conselhos e conselheiros podem capacitar os atendimentos em locais, como shoppings e agências bancárias, recolocando a população idosa em um lugar de dignidade e respeito e não de coitadinho ou vítima. “Estamos falando de um lugar de direitos humanos, de equidade, considerando as diferenças”, completou.

Katia Brito – Jornalista

Posts Recentes

Longevida dá início ao Conversas na Janela

A Longevida acaba de lançar o projeto social Conversas na Janela, que pretende ser um espaço virtual de bate-papo entre pessoas com mais de 60 anos. Por meio da plataforma Zoom, grupos de, no máximo, sete pessoas, se reunirão uma vez por semana para conversar

DIA INTERNACIONAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA 2021

Em 2021, o tema do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência é “Liderança e participação das pessoas com deficiência por um mundo pós-Covid-19 inclusivo, acessível e sustentável”, a ser comemorado no dia 3 de dezembro.

2021 | FEITO POR PNZ COMUNICAÇÃO